View All Photos

South Espírito Santo Conference headquarters, 2020.

Photo courtesy of South Espírito Santo Conference Archives.

Associação Sul Espírito Santense

By Lucas Vítor Alves Rodrigues Sena, Leônidas Verneque Guedes, and Rudiney Coelho Souza

×

Lucas Vítor Alves Rodrigues Sena

Leônidas Verneque Guedes

Rudiney Coelho Souza

First Published: October 17, 2021

A Associação Sul Espírito Santense (ASES) é uma unidade administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia, localizada no território da União Sudeste Brasileira (USeB). Sua sede fica na Rua Jaime Pacheco Machado, nº 155, CEP 29146-514, no bairro Campo Grande, município de Cariacica, estado do Espírito Santo, Brasil.

A ASES cobre toda a região sul do estado do Espírito Santo, no sudeste do Brasil. Seu campo de missão inclui as seguintes cidades: Vila Velha, Cachoeiro do Itapemirim, Cariacica, Guarapari, Viana, Domingos Martins, Afonso Cláudio, Santa Maria, Marataízes, Castelo, Guaçuí, Alegre, Iúna, Anchieta, Mimoso do Sul, Ibatiba, Venda Nova , Santa Tereza, Piúma, Vargem Alta, Muniz Freire, Marechal Floriano, Muqui, Alfredo Chaves, Itaguaçu, Iconha, Irupi, Conceição do Castelo, Brejetuba, Santa Leopoldina, Atílio Vivaqua, Jerônimo Monteiro, Rio Novo do Sul, Presidente Kennedy, Laranja da Terra, Itarana, São José do Calçado, Ibitirama, Apiacá, Dores do Rio Preto, Divino São Lourenço e Mucuri. A população total da região é de 2.049.139 pessoas, e o número de adventistas é de 28.534, organizados entre 41 distritos pastorais e 316 congregações. Assim, a média na região é de um adventista por 72 habitantes.

Dentro do território da ASES, há três escolas adventistas, que atendem a 1.427 alunos. São elas: Centro Educacional Adventista do IBES, localizado na Praça Assis Chateaubriand, nº 358, na cidade de Vila Velha, com 408 alunos; o Espaço IBES Kids, localizado na Rua José Ricardo, nº 29, também em Vila Velha, com 84 alunos; e o Colégio Adventista de Campo Grande, na Avenida Alice Coutinho, nº 445, na cidade de Cariacica, com 935 alunos matriculados.

A ASES também mantém o Centro Adventista de Treinamento e Recreação do Espírito Santo (CATRES), localizado na Rua Pastor Simão Pedro Manske, nº 511, na Praia do Morro (Praia do Morro), cidade de Guarapari, litoral do Espírito Santo. O CATRES tem capacidade para 400 pessoas nos chalés e 800 na área de camping, e atende anualmente uma média de 12.000 pessoas. A associação também conta com uma livraria Novo Tempo, localizada na Avenida Expedito Garcia, nº 215, no bairro de Campo Grande, na cidade de Cariacica. A associação administra duas unidades do Centro Adventista de Desenvolvimento Comunitário (CADEC): CADEC I, na Rua Amâncio Pimenta, bairro de São Vicente, na cidade de Afonso Cláudio; e CADEC II, na Avenida Afonso Cláudio, nº 20, bairro de Terra Vermelha, em Vila Velha. 1

Para atender a toda a sua área de atuação, a ASES possui 214 servidores. Destes, 138 são funcionários, dois são obreiros credenciados e 23 são funcionários religiosos. A associação também emprega 51 pastores, dos quais 44 são ordenados e sete são licenciados. A cidade de Afonso Cláudio, no território da ASES, conta ainda com uma Rádio Tempo Novo, que pode ser ouvida na frequência 93,9 FM.

A Origem da Obra Adventista no Território da Associação

A obra adventista no Espírito Santo teve início na década de 1890, quando o colportor Albert B. Stauffer foi enviado pela Associação Geral para trabalhar no Brasil em maio de 1893. Vindo do Uruguai, o colportor chegou ao estado do Rio Grande do Sul, extremo sul do país e, a partir daí, subiu em direção às colônias alemãs do interior do Brasil, nos estados de São Paulo e Espírito Santo. 2 Em 1894, Frank Westphal, o primeiro pastor adventista ordenado, chegou ao Brasil. 3 Na mesma época, Stauffer chegou ao Espírito Santo, que até então era uma grande colônia alemã habitada por luteranos da região da Pomerânia, no norte da Alemanha.

Na região de Santa Maria de Jetibá, então pertencente ao município de Santa Leopoldina, o colportor vendeu aos colonos o livro O Grande Conflito na versão alemã. Imediatamente, a leitura causou tumulto na região, e os colonos convertidos passaram a sofrer perseguição, sendo chamados de “Verflutchte Sabatisten” (“sabatistas amaldiçoados”, em alemão). 4 Em sua biografia, o Pastor Gustavo Storch relatou que sua avó levou 25 tapas de um pastor luterano, apenas por permitir que um culto de adoração adventista ocorresse em sua casa. 5 Apesar dos problemas e perseguições, Stauffer não desistiu e continuou a vender literatura adventista. Devido à sua persistência, 23 pessoas foram batizadas em 14 de dezembro de 1895, pelo Pastor Huldreich F. Graf. Participaram do batismo o pai do pioneiro Guilherme Frederico Denz e os avós e pais de Gustavo Storch. A terceira Igreja Adventista no Brasil nasceu na vila de Santa Maria de Jetibá. 6

Em 1897, foi fundada uma nova Igreja Adventista na região da Serra Pelada, hoje distrito da cidade de Afonso Cláudio. O local passou a ser habitado exclusivamente por adventistas alemães, vindos de Santa Maria de Jetibá, que ficava a pouco mais de 38 quilômetros de Serra Pelada. A região era considerada "uma Canaã, um verdadeiro paraíso, [...] uma Alemanha em miniatura". Ali reuniam-se cerca de trinta pessoas, dentre elas Emílio Zahn, Guilherme Denz, Júlio Keppke e Carlos Grünewald, os primeiros adventistas a chegarem à região. 7

Em 1906, outra congregação foi constituída, dessa vez nas margens do Córrego do Manteiga, hoje pertencente à cidade de Laranja da Terra. Essa é considerada a terceira igreja organizada no Espírito Santo. No momento de sua fundação, possuía 16 membros, mas quatro anos depois, em 1910, já contava com 24 adventistas. Estiveram entre seus primeiros membros as famílias de Guilherme Welmer, Franz Westphal e Arno Braun. 8

Em 1910, foi fundada a quarta igreja adventista no estado, que está localizada no Córrego do Laranjinha, tendo como pioneiras as famílias Becker e Kühl, também imigrantes alemães. 9 Em 1912, novos adventistas chegaram à região do Córrego do Manteiga. A igreja foi oficialmente organizada em 6 de julho de 1912 e inaugurada em 24 de maio de 1913. 10 Em novembro de 1913, as igrejas do Espírito Santo realizaram uma “Assembleia Geral”, com a participação dos Pastores F. W. Spies e Henry Meyer, em Serra Pelada. Ao final da reunião, seis pessoas foram batizadas, e a igreja de Serra Pelada cresceu em número de membros para 84. Esse fato motivou Spies a declarar que a igreja poderia ser considerada “atualmente a maior de nossas igrejas no Brasil”. 11

Na mesma época, a educação adventista dava seus primeiros passos na região. Em Serra Pelada, uma escola paroquial foi inaugurada em novembro de 1913, com o professor Jacob Peterson como diretor. O ano letivo começou em 1º de novembro de 1913 e terminou em 15 de maio de 1914, pois, nos demais meses de férias, os alunos deveriam ajudar os pais na fazenda. 12 Em 1914, muita gente se mudou para lugares como Serra Pelada, Laranjinha e Laranja da Terra, dentre eles, pessoas da igreja de Santa Maria de Jetibá, causando grande perda de membros. 13 Por isso, décadas depois (no final de 1971), a igreja cessou oficialmente suas atividades. 14

Em novembro de 1915, durante o Concílio de Outono da Associação Geral da Igreja Adventista do Sétimo Dia, na cidade de Loma Linda, Califórnia, os líderes e delegados dos países onde a igreja estava presente aprovaram a criação da Divisão Sul-Americana. Para presidir a nova unidade administrativa, os líderes votaram o nome de Oliver Montgomery, que chegou à América do Sul em 1916. 15 No primeiro mês daquele ano, dias após a chegada do novo presidente, delegados de todo o continente se reuniram na cidade de La Plata, Argentina, onde decidiram dividir a União Brasileira em dois novos campos: a União-Missão Norte Brasileira (hoje conhecida como União Sudeste Brasileira), com sede no Rio de Janeiro, cobrindo todo o território ao norte de São Paulo, incluindo o estado do Espírito Santo; e a União-Missão Sul Brasileira (que continuou como União Brasileira, e que atualmente tem o status de União Central Brasileira), abrangendo as igrejas nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. 16

A mensagem adventista continuou a se espalhar por todo o estado do Espírito Santo. Em 1917, chegou à região Henrique Völz, o primeiro adventista a se estabelecer no Córrego do Ribeirão, vindo de Santa Maria de Jetibá. 17 Em 1918, novas famílias de Serra Pelada chegaram à vila de Ribeirão, formando uma congregação adventista que se reunia na casa de Henrique Völz. 18 Um ano depois, a União-Associação Norte Brasileira foi estabelecida, com Henry J. Meyer como presidente. 19 A união possuía cinco campos missionários: Missão Pernambuco, com sede em Recife, no estado de Pernambuco; Missão Mineira Leste, com sede em Juiz de Fora, no estado de Minas Gerais; Missão Leste Brasileira, com sede em Salvador, no estado da Bahia; Missão Rio de Janeiro, com sede na cidade de Rio de Janeiro, estado do Rio de Janeiro; e a Missão Espírito Santense, com sede em Vitória, no estado do Espírito Santo, tendo John Boehm como presidente. 20

Enquanto a obra adventista avançava no interior do Espírito Santo, a capital, Vitória, ainda não tinha presença adventista. Assim, no início de 1919, a associação enviou quatro obreiros para a capital do Espírito Santo: os colportores Paulo Schultz e Júlia Apolinário, o evangelista Pedro Alexandre e o Pastor John Boehm, diretor da Missão Espírito Santense. Os primeiros adventistas da região metropolitana de Vitória realizavam suas reuniões da Escola Sabatina sob uma árvore de quichabeira, na praia de Inhoá, na cidade de Vila Velha (separada de Vitória apenas por uma ponte). Aliás, as primeiras conferências na região da capital aconteceram em Vila Velha. 21

Na década de 1920 ocorreram várias inaugurações no território da Missão Espírito Santense. Em 1921, o templo de Laranjinha foi oficialmente inaugurado, na região rural do município de Laranja da Terra. A congregação, que teve início na década de 1900, era inteiramente formada por alemães, e teve sua primeira pregação em português apenas em 1919, pelo Pastor Henrique Stoehr. 22 Em 1924, Serra Pelada sediou a série evangelística anual do Espírito Santo, que contou com a presença de 200 adventistas de todo o estado, resultando no batismo de nove pessoas. Assim, a igreja de Serra Pelada aumentou para 100 membros. 23 Em outubro de 1925, foi organizada a igreja da vila de Ribeirão, com 21 membros, pertencentes a famílias como Zahn, Seidl, Stieg, Possemoser, Kaufmann, Kefler, Küster e Lorentz, todas de origem alemã. 24

Ainda em 1925, a primeira sede da Missão Espírito Santense foi estabelecida. Apesar de seu endereço postal localizar-se em Vitória 25 , sua sede ficava em Vila Velha, bem como a primeira igreja da região metropolitana de Vitória. 26 No final de 1926, a Missão Espírito Santense tinha sete igrejas organizadas e 590 adventistas. 27 Uma escola de ensino fundamental também começou a funcionar em Vila Velha. Não há registro de quando ela tenha iniciado, exatamente, mas sabe-se que um de seus alunos, em 1927, foi o médico Jessé Torres Dourado. 28

Em 1927, a Missão do Rio de Janeiro e a Missão Espírito Santense foram reorganizadas para melhor atender às necessidades da Igreja Adventista na região. Assim, o estado do Espírito Santo passou a ser administrado pela Missão Rio-Espírito Santense, que abrangia a parte norte do estado do Rio de Janeiro e todo o estado do Espírito Santo. 29 Inicialmente, a sede da Missão Rio-Espírito Santense ficava em Campos dos Goytacazes, no estado do Rio de Janeiro 30 mas, em 1929, mudou-se para a Avenida Capixaba, nº 53, em Vitória. 31 E, mais uma vez, no início de 1930, a sede foi transferida para a Rua Pedro Palácios, nº 16, também na capital do Espírito Santo. 32

Em 1928, a mensagem adventista já havia chegado a outras localidades do sul do Espírito Santo. Em setembro daquele ano, os pastores Henrique Stoehr e Guilherme Denz visitaram as cidades de Alegre e Cachoeiro de Itapemirim. Nessa última cidade, Denz e Stoehr batizaram duas pessoas e conduziram uma Santa Ceia. Na época, a cidade tinha oito membros batizados e muitas pessoas interessadas na mensagem adventista. 33

Em 1930, foi construída uma nova igreja no município de Serra Pelada, na fazenda do pioneiro Carlos Ost, a 3 km da primeira igreja implantada no início dos anos 1920. 34 No ano seguinte (1931), Serra Pelada recebeu um curso de colportagem realizado pela Missão Rio-Espírito Santense, dirigida por Raul C. de Araújo. Na ocasião, 14 colportores participaram dessa atividade, que teve o apoio de Benedito Silveira, Emílio Gutzeit e Conrado e Henrique Stoehr como palestrantes. 35 Em 1932, a Missão Rio-Espírito Santense tinha 11 igrejas organizadas e 932 adventistas. 36

Na década de 1940, definitivamente, havia várias igrejas estabelecidas no Espírito Santo. Em 1941, por exemplo, já existia um grupo considerável de crentes, tais como as famílias de Carlos Storch, Davi Stieg e Waldemar Lopes, na cidade de Laranja da Terra. O grupo se reuniu na casa de Carlos Stabnow e, à medida que crescia, passou a funcionar no depósito de Stabnow. 37 Ainda em 1941, o templo de Ribeirão foi reformado, sendo que havia sido inaugurado pela primeira vez em 1925. O antigo templo tornara-se pequeno para abrigar tantas pessoas, e no momento de sua reinauguração, foi considerado “o mais bonito do distrito inteiro.” 38 Na região da Grande Vitória, em maio de 1942, foi inaugurada a igreja de Vila Velha. O prédio tinha capacidade para acomodar 150 pessoas, e seu terreno foi doado à Igreja Adventista pelo prefeito da cidade. 39 Três anos depois, houve relatos sobre a igreja de Vila Velha como sendo uma congregação forte na obra missionária, destacando-se no território da Missão Rio-Espírito Santense. 40

Em 1943, a cidade de Cachoeiro de Itapemirim recebeu uma série de conferências, realizadas pelos pastores Alfredo Meier e Geraldo de Oliveira. Para os padrões da época, a série teve um excelente público: o teatro onde decorriam as reuniões tinha capacidade para 500 pessoas, mas a frequência diária era de quase 700. No mesmo período, começou ali uma Escola Sabatina com 60 pessoas. 41

Na cidade de Afonso Cláudio, em 1946, o adventista Valentim Naves iniciou uma Escola Sabatina em sua casa. Ele foi batizado em 1944 pelo Pastor Abraham Harder, junto com sua esposa e filha. 42 Ainda no interior do estado, a Igreja de Ribeirão começou a organizar um colégio, que oferecia não só o ensino fundamental, mas também o ginásio. Em março de 1947, foi inaugurado o Colégio Adventista de Ribeirão, formado por um prédio escolar, duas residências e uma capela. Eram oferecidos os quatro anos do ensino fundamental e os dois primeiros anos do ensino secundário. Em sua inauguração, o colégio já contava com 70 alunos matriculados. 43

No mesmo período, a Igreja Serra Pelada manteve-se como uma das maiores da Missão Rio-Espírito Santense, possuindo uma escola de ensino fundamental e uma enfermaria. 44 Em novembro de 1948, a Igreja Adventista na cidade de Laranja da Terra foi organizada e inaugurada, com a presença do Pastor Abraham C. Harder, então presidente da Missão Rio-Espírito Santense. 45 Essa igreja tinha 8 por 12 metros, na época. Décadas depois (em 1975), foi inaugurada uma nova igreja, com capacidade para cerca de mil pessoas, medindo 14x26 metros. 46 No final de 1949, a Missão Rio-Espírito Santense tinha 25 igrejas organizadas e 2.390 membros adventistas, a maioria dos quais vivia no estado do Espírito Santo. 47 Na grande Vitória, havia também três escolas de ensino fundamental, duas no atual campo missionário da ASES: Escola Adventista Primária de Vila Velha, com Dilma Gomes como professora; 48 e Escola Adventista Primária de Campo Grande, em Cariacica, cuja professora era Alice Storch. 49

A década de 1950 foi marcada por mudanças no sul do Espírito Santo. Em 1951, Valentim Naves e Pedro Antônio de Carvalho, juntamente com outro adventista que morava em Afonso Cláudio, compraram um terreno na cidade, onde construíram uma igreja. Naquele mesmo ano, a pedra angular do templo foi lançada. O terreno era íngreme e, por isso, os membros da igreja construíram um galpão, onde faziam as reuniões. O galpão foi inaugurado em 1953, no mesmo dia em que a igreja foi definitivamente organizada, com 40 membros. 50 Em 1973, após 20 anos reunindo-se naquele galpão, os adventistas de Afonso Cláudio inauguraram a sua igreja. 51 Seis anos depois, mais uma igreja foi inaugurada em outro local, a congregação de Cachoeiro do Itapemirim. 52

No final de 1954, a Missão Rio-Espírito Santense tinha 31 igrejas organizadas e 3.490 adventistas. 53 Com um número tão grande de adventistas e igrejas organizadas para os padrões daquele período, o campo precisava ser dividido. Assim, em 1955, a missão foi reorganizada, passando a chamar-se Associação Espírito Santense, abrangendo o nordeste do estado do Rio de Janeiro, o extremo leste do estado de Minas Gerais e o estado do Espírito Santo. 54

Em 1956, uma nova série de conferências foi realizada na cidade de Cachoeiro do Itapemirim, dessa vez sob a liderança do Pastor Dourival de Souza Lima, obreiro da Associação Espírito Santense. Como resultado da série, em abril de 1956, já havia 20 pessoas batizadas. 55 Durante as férias de 1957, o Pastor Santiago Schmidt deu início ao trabalho evangelístico voluntário em Guarapari, litoral sul do Espírito Santo. Schmidt realizou uma série de reuniões evangelísticas, chegando, inclusive, a autoridades municipais. Seu trabalho inicial deu bons resultados: quatro pessoas foram batizadas na cidade, além de uma classe batismal e uma classe de Escola Sabatina com cerca de 20 membros. 56

Um ano depois, em 1958, a Igreja Adventista comprou um terreno na Praia do Morro, em Guarapari. O terreno tinha cem mil metros quadrados, de frente para o mar, e ali, durante o carnaval de 1958, foi realizado o primeiro Acampamento Cultural da Associação Espírito Santense, voltado para jovens adventistas do estado. Posteriormente, o terreno tornou-se o Centro Adventista de Treinamento e Recreação do Espírito Santo (CATRES). 57 A década de 1950 terminou positivamente para a Associação Espírito Santense: 46 igrejas organizadas e 5.139 membros ao final de 1959. 58

A década de 1960 começou com boas notícias para o povo capixaba. Em setembro de 1960, o Pastor Manuel Banqué deu início a uma série de reuniões evangelísticas no bairro do IBES, em Vila Velha. A série teve uma ótima recepção entre a população do bairro, tanto que eram realizados três encontros diários: o primeiro, para crianças; o segundo, para adultos; e o terceiro era uma classe bíblica. A série contou ainda com a participação do coral Cantores de Sião, da igreja de Vila Velha. Nas primeiras reuniões, cerca de 60 pessoas decidiram ser batizadas. 59

Em novembro de 1960, o estado do Espírito Santo tinha o maior número de adventistas no Brasil, com uma média de um adventista por 320 habitantes, chegando a 3.100 membros. 60 Em 1961, já existia um grupo de adventistas organizado na Barra de Itapemirim, que atualmente é um bairro da cidade de Marataízes. O grupo era formado por 42 pessoas matriculadas na Escola Sabatina. Destas, 13 já haviam sido batizados pelo Pastor Geraldo Ivanicska. 61 No ano seguinte, a cidade de Vila Velha inaugurou mais um templo adventista. Inaugurada no primeiro semestre de 1962, a igreja do Campo Grande foi a terceira a ser estabelecida na região metropolitana de Vitória, com capacidade para acomodar 700 pessoas. 62 Um ano depois, em julho de 1963, foi inaugurado o templo da Igreja Central de Vila Velha, com capacidade para 460 pessoas. 63

Foi também na década de 1960 que a mensagem adventista começou a chegar a outros lugares da grande Vitória. Um exemplo foi a formação do grupo de Garrido, bairro da periferia de Vila Velha. Em abril de 1964, foi realizada a primeira reunião da Escola Sabatina no bairro de Garrido. Mais tarde, a Escola Sabatina local se tornou um grupo, que em junho de 1966 tinha 68 adventistas batizados. 64 No mesmo período, o Pastor Paulo Stabenow, a obreira Célia Oliveira e o membro leigo Braz Neves realizaram uma série de conferências no bairro do Porto de Santana, na periferia de Cariacica, que culminaram na inauguração da igreja local em 1967, quando 11 pessoas foram batizadas. No início de 1968, a igreja tinha 25 membros regulares e outros 70 membros matriculados na Escola Sabatina. 65

Na história da Igreja Adventista do Sétimo Dia no Brasil, a assistência social tem estado lado a lado com o trabalho evangelístico, e não foi diferente no Espírito Santo. Em julho de 1969, uma equipe da igreja São Torquato, na cidade de Vila Velha, organizou o grupo de assistência social “Os Bons Samaritanos” (Os Bons Samaritanos). O objetivo do grupo era ensinar uma profissão para a comunidade circunvizinha à igreja. O primeiro curso oferecido foi o de operador de brocas, ministrado por Amâncio Soares. 66 Todo o trabalho realizado na Associação Espírito Santense nos anos anteriores, que também passou a administrar uma região no sul da Bahia, resultou no total de 58 igrejas organizadas e 11.561 adventistas em janeiro de 1970. 67

A década de 1970 começou com o avanço da mensagem adventista por meio da mídia capixaba. No Natal de 1970, o coral Maranata, da Igreja Adventista de Campo Grande, em Cariacica, foi convidado para cantar em dois programas da Rádio Espírito Santense, bem como na Rádio e TV de Vitória, além de um programa transmitido em alemão pela Rádio Capixaba. 68

Em 1972, após a Associação Espírito Santense passar por uma nova reformulação administrativa, ela passou a abranger parte da região leste do estado de Minas Gerais, a região sul do rio Jequitinhonha, no estado da Bahia, a região nordeste do estado do Rio de Janeiro e todo o estado do Espírito Santo. Portanto, seu nome foi alterado para Associação Leste. 69 Na primeira metade de 1972, a Associação Leste teve 364 batismos, 70 alcançando, em 1973, 58 igrejas organizadas em seu campo missionário e 13.865 adventistas. 71

A década de 1970 também marcou o início da atuação médico-missionária no sul do estado. Em agosto de 1973, o Pastor Moisés Dias de Carvalho foi chamado para assumir os trabalhos da Clínica Móvel da Associação Leste. A clínica, composta por uma equipe formada por médico, dentista, secretária e motorista, atuava nos bairros de Serra Pelada, em Afonso Cláudio, e São Luís de Miranda, em Laranja da Terra. Em um ano de trabalho, 15 vilas receberam um total de 23.800 consultas médicas. No entanto, o trabalho missionário prosseguiu, e em São Luís de Miranda foram realizadas reuniões evangelísticas que resultaram na formação de uma classe bíblica com 150 pessoas. 72

A educação adventista também conquistou realizações naquela década. Em 1977, o Colégio Adventista de Campo Grande, em Cariacica, passou a oferecer a quinta série do ensino fundamental. 73 No mesmo ano, o Colégio Adventista do IBES, em Vila Velha, passou por reformas estruturais, uma vez que, segundo o professor Corino Pires, diretor de educação da Associação Leste, a escola tinha suas quatro primeiras séries funcionando “de forma muito precária” até então. 74 Em dezembro de 1977, a Clínica Móvel, estabelecida em Serra Pelada, atendia cerca de trezentas pessoas em Afonso Cláudio, com assistência social e evangelística e prevenção da saúde. 75

Da mesma forma, o evangelismo público não foi deixado para trás. No início de 1978, a Associação Leste registrou um dos maiores recordes de todo o Brasil: 2.000 pessoas batizadas ao longo do ano de 1977. 76 Enquanto isso, a mensagem adventista alcançou outros lugares no sul do Espírito Santo, incluindo as cidades de Jerônimo Monteiro, Vila Itapemirim e Marataízes. Pouco depois da Páscoa de 1978, o Pastor Valdemiro Berger, que servia no distrito de Cachoeiro do Itapemirim, conduziu uma classe bíblica ao ar livre, com cerca de 40 interessados. 77 Em dezembro de 1979, como resultado dos esforços evangelísticos, a Associação Leste tinha 67 igrejas organizadas e 18.217 adventistas. 78

No início da década de 1980, a União Este Brasileira (atual União Sudeste Brasileira) tinha 279 igrejas organizadas e 84.387 membros, exigindo uma reorganização. 79 Assim, durante a décima primeira Assembleia Quadrienal do campo, ocorrida entre 2 e 5 de janeiro de 1980, foi votada a reorganização geográfica da União Este Brasileira (UEB) em quatro campos: Associação Rio de Janeiro, abrangendo todo o estado do Rio de Janeiro; Missão Nordeste Brasileira, abrangendo os estados de Alagoas, Bahia, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe; Missão Mineira, administrando todo o estado de Minas Gerais; e a Associação Leste, que deveria abranger todo o estado do Espírito Santo. 80 No mesmo ano, a Associação Leste foi renomeada como Associação Espírito Santense. 81

Os primeiros anos da década de 1980 também foram marcados pela expansão da igreja no Espírito Santo. Em 1983, após uma série de ampliações e reformas, o CATRES de Guarapari já contava com uma estrutura de 205 beliches, sete chalés em estilo colonial, dois apartamentos de luxo, três casas, dormitório com 35 lugares, capela, refeitório e cozinha. 82 Um novo refeitório climatizado, com capacidade para 300 pessoas, e uma nova cozinha foram construídos recentemente. 83 Além disso, os colégios adventistas do IBES, em Vila Velha, e Campo Grande, em Cariacica, que ofereciam até o atual ensino fundamental I e II, receberam reformas estruturais, como a construção de salas para administração e melhora das áreas de lazer para os alunos. 84 Nessa época, o Colégio Adventista do IBES era considerado um dos maiores da associação, contando com 700 alunos no ano de 1984. 85  

Com o avanço no serviço missionário e o crescimento do número de membros e interessados na Igreja Adventista, a Associação Espírito Santense adotou o lema “O Espírito Santo está com pressa”, com o objetivo de expandir a mensagem adventista para cidades no sul do estado. Em 1985, foi construída uma capela adventista na cidade de Apiacá 86 e, em dezembro do mesmo ano, a igreja de Santa Tereza já estava concluída e organizada. Ao longo dessa década, 87 foram inauguradas novas igrejas, tais como a de Santa Rita, em Vila Velha, em dezembro de 1986; 88 e as de Domingos Martins, Iúna, Castelo e Rio Novo, em 1988. 89 Até o final de 1987, a Associação Espírito Santense conseguiu batizar 2.000 pessoas 90 e, em 1988, por meio de um projeto do campo, foi construída uma nova igreja na vila de Santa Maria de Jetibá. 91 Ao final da década de 1980, o Espírito Santo tinha 19.114 membros adventistas e 75 igrejas organizadas. 92

No final de 1989, a Igreja Adventista no Espírito Santo passou a administrar a Rádio Cidade, em Afonso Cláudio. As emissões de rádio, inauguradas em 1989, começavam às 4h00 e estendiam-se até às 22h00. Alguns programas como “A Voz da Profecia”, “Vida e Saúde” e “Nosso Amiguinho” eram transmitidos pela rádio, que trabalhava inicialmente com o sistema de amplitude modulada (AM). 93 A Rádio Adventista de Afonso Cláudio é considerada a primeira emissora da atual Rádio Tempo Novo. 94

Em 1993, a mensagem adventista alcançou outras cidades do Espírito Santo que eram consideradas alvo da Missão Global da Igreja Adventista no estado. Em outubro de 1993, a presença adventista chegou a Santa Leopoldina, onde foi inaugurada uma congregação adventista, e a Alfredo Chaves, onde um instrutor bíblico já estava se reunido com um pequeno grupo de adventistas. Por meio do trabalho realizado nessas duas cidades, todo o estado do Espírito Santo foi infundido com a mensagem adventista. 95 Em 1995, o trabalho missionário resultou no batismo de 2.338 pessoas em todo o estado. 96 Assim, em janeiro de 2000, a AES já tinha 220 igrejas organizadas e 28.894 membros adventistas. 97

História Organizacional da Associação

A expansão missionária no estado do Espírito Santo continuou avançando. No início de 2005, a Igreja Adventista tinha 266 igrejas organizadas e 35.715 membros, 98 o que exigia uma reorganização administrativa, com a divisão do campo administrado pela Associação Espírito Santense (AES). Assim, em dezembro de 2005, a União Este Brasileira se reuniu na Igreja Adventista Central de Vitória em 12 de fevereiro de 2006, a fim de estudar um projeto para a criação de um novo campo missionário no Espírito Santo. 99

Diante do estudo preliminar apresentado na assembleia, a União Este observou que havia condições para a formação de um novo campo no Espírito Santo e solicitou à Divisão Sul-Americana (DSA) que nomeasse uma comissão para avaliar a viabilidade de reorganização do território. A nomeação da mesa aconteceu em maio de 2006, com a presença de três diretores da DSA, três da União Este, três da AES, mais dois pastores distritais e dois membros leigos. 100

Após dois anos de estudos, em maio de 2008, a Divisão Sul-Americana acatou o relatório da comissão avaliativa que deu seu parecer sobre a viabilidade do novo campo e, para tanto, aprovou a divisão do território em duas instituições. Uma continuaria a se chamar Associação Espírito Santense, enquanto o novo campo, denominado Associação Sul Espírito Santense (ASES), entraria em funcionamento no dia 1º de janeiro de 2009, com sede em Cariacica. 101 A pedra fundamental da sede foi lançada em 12 de julho de 2008. 102 Em novembro do mesmo ano (2008), a Associação Espírito Santense convocou a I Assembleia Ordinária da ASES, 103 que elegeu o Pastor Moisés Dias de Carvalho Júnior como presidente, Joel Fernandes de Carvalho Filho como secretário e Hermes Demarche como tesoureiro. 104

O novo campo iniciou suas atividades com 19.223 membros, 78 grupos e 162 igrejas organizadas, totalizando 240 congregações. Sua missão inicial, que continua até hoje, é fazer discípulos de todas as nações, convidando-os a aceitar Jesus como seu Salvador pessoal e a se unirem à igreja remanescente, instruindo-os a servi-Lo como Senhor e preparando-os para Seu breve retorno. A primeira sede da ASES funcionava em prédio alugado, na Rua Pio XII, nº 36, no bairro de Campo Grande, em Cariacica. 105 Em 2010, mudou-se para o endereço atual, na Rua Jaime Pacheco Machado, nº 155, no mesmo bairro. 106 A partir da sua fundação, a ASES passou a gerir o Centro Educacional Adventista do IBES, em Vila Velha; o Colégio Adventista de Campo Grande, em Cariacica; e a Rádio Novo Tempo de Afonso Cláudio.107

Desde sua criação, o ASES tem experimentado um crescimento constante no número de membros e congregações. De 19.223 adventistas em 2009, a quantidade de membros no campo aumentou para 28.534 no final de 2018. O número de grupos aumentou de 78 para 106, e de 162 igrejas organizadas para 210. O crescimento do campo se deve principalmente ao evangelismo público anual, que recebe a ajuda de estudantes de Teologia do Seminário Adventista Latino-Americano de Teologia (SALT). Anualmente, cerca de 45 estudantes de diferentes unidades do SALT conduzem programas de evangelismo nas igrejas locais com a ajuda de obreiros permanentes e pastores distritais.

Assim como no evangelismo, a ASES ainda é pioneira no Ministério das Prisões. Cinco presídios na região foram escolhidos para a pregação da mensagem adventista aos internos. Em 2018, o projeto, coordenado pelo Pastor Edigar Alvarenga, resultou no batismo de 700 internos. Além do Ministério das Prisões, o campo também trabalha com igrejas que usam abordagens diferentes, como o “Espaço Novo Tempo”, na Praia da Costa, em Vila Velha, cujo objetivo é atingir pessoas mais seculares. Como resultado, muitas pessoas entregaram sua vida a Cristo. Um dos projetos sociais realizados pela ASES no final de 2018 foi a reforma de um abrigo infantil em Cariacica. O projeto foi executado na íntegra pelos servidores da sede da conferência, por iniciativa do Pastor Fernando Júnior, líder do departamento da Ação Solidária Adventista (ASA) (Sociedade Dorcas). Os serviços realizados no abrigo pelos funcionários foram a limpeza externa e interna, pequenas reformas estruturais, pintura e remanejamento de móveis.108

Outro projeto missionário que está sendo desenvolvido no campo é o “Um Ano em Missão”, 109 uma iniciativa do Ministério Jovem da Divisão Sul- Americana. Em 2018, cerca de 60 pessoas começaram a estudar a Bíblia como resultado do trabalho desenvolvido pelo projeto. Desde fevereiro de 2019, 14 jovens dos estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Ceará participam do projeto, localizado nas igrejas da Praia da Costa, Central de Vila Velha, Itapuã, Ilha dos Aires e Espaço Novo Tempo. 110 Em parceria com a União Sudeste Brasileira (USeB), a Associação Sul Espírito Santense desenvolve outro projeto, denominado: “Alcancemos - Somos um em busca dos 100”. O projeto, lançado para comemorar os 100 anos da USeB, tem como objetivo mobilizar congregações no campo da União para estudar a Bíblia com 100 pessoas. 111

Nos últimos dois anos, o campo também se destacou no número de batismos. Em comemoração aos 10 anos de atuação da ASES, em 2018, 200 pessoas foram batizadas na Praia do Morro, em Guarapari, nas dependências do CATRES. Além disso, ao longo de 2018, cerca de três mil pessoas foram batizadas. Na área da comunicação social, a ASES teve mais uma conquista: a partir de março de 2019, a Rádio Novo Tempo de Afonso Cláudio passou a funcionar na frequência 93,3 FM. 112

Em 2019, a ASES lançou o projeto “Impacto Esperança” 113 no sul do Espírito Santo. Dois dias antes do projeto, uma caixa de livros da Esperança foi colocada em uma das principais vias do bairro de Campo Grande, em Cariacica. Assim, quem passasse por ali pressionaria um botão no próprio aparelho e a caixa entregaria o livro “Esperança Para a Família”. Cerca de 250 mil exemplares do livro foram distribuídos à população de todo o centro-sul do Espírito Santo. 114

A ASES também atua no setor humanitário por meio da Ação Solidária Adventista (Sociedade Dorcas). Devido às fortes chuvas que atingiram o estado do Espírito Santo em novembro de 2019, membros da Igreja Adventista de Campo Grande, em Cariacica, distribuíram roupas e alimentos para famílias de rua no bairro Novo Horizonte, em Cariacica. Por causa das fortes chuvas, a cidade chegou a declarar estado de emergência. A ação da igreja de Campo Grande também envolveu as atividades do Mutirão de Natal 115 2019. 116

Um dos maiores projetos da ASES foi o início do Colégio Adventista de Campo Grande, em Cariacica. A unidade escolar, cuja construção demorou cerca de quatro anos para ser concluída, tem capacidade para 1.200 alunos. O prédio conta ainda com 22 salas de aula, biblioteca, brinquedoteca, laboratório e quadra poliesportiva com área total de 6.000 metros quadrados. Em 2019, a escola tinha 950 alunos matriculados. 117

A Associação Sul Espírito Santense entende que, com sua história, pôde aprender que em todos os momentos, em meio a desafios e vitórias, Deus sempre esteve presente, mostrando meios e métodos para o andamento de Sua obra. Mesmo assim, há desafios a serem enfrentados, e o principal deles é construir uma igreja em cada bairro das cidades. Os grandes obstáculos a serem superados são os altos investimentos e as dificuldades de se evangelizar alguns locais. No entanto, mesmo em face a desafios constantes, o plano da Igreja Adventista na região é batizar 10.000 pessoas nos próximos quatro anos, incentivar o programa de discipulado a fim de ter discípulos em todas as igrejas por meio de pequenos grupos 118 e ter mais um colégio adventista na cidade de Cachoeiro do Itapemirim, que já está sendo implantado.

Cronologia dos Líderes Administrativos

Presidentes: Moisés Dias de Carvalho Júnior (2009-2019); Itamar Lelis Rodrigues (2019 - atual).

Secretários: Joel Fernandes de Carvalho Filho (2009-2012); Rudiney Coelho Souza (2013 - atual).

Tesoureiros: Hermes Demarche (2009-2014); Jander Campos de Oliveira (2015-2019); Daniel Toledo (2019 - atual). 119

 Referências

Almeida, Guilherme. “Nova Associação vai tornar Igreja mais dinâmica no ES.” Revista Adventista, setembro de 2008.

“Alunos e Decisões.” Revista Adventista, outubro de 1984.

“Associação Espírito-Santense.” Revista Adventista, janeiro de 1988.

“Associação Espírito-Santense realiza trienal.” Revista Adventista, março de 1996.

Ata da União Este Brasileira, dezembro de 2005, voto nº 2005-152.

Ata da Associação Espírito Santense, julho de 2008, voto nº 2008-080.

Ata da Divisão Sul-Americana. Fevereiro de 1916, voto nº 1916-012.

Ata da Divisão Sul-Americana, maio de 2006, voto nº 2006-141.

Ata da Divisão Sul-Americana, maio de 2008, voto nº 2008-103.

Banqué, Manuel. “Evangelismo – Tarefa Máxima.” Revista Adventista, março de 1961.

Beatriz, Fernanda. “Igreja completa cem anos no Sudeste e lança projeto missionário.” Notícias Adventistas (Online), 27 de novembro, 2018.

Belz, Rodolpho. “Associação Espírito-Santense.” Revista Adventista, maio de 1959.

Belz, Rodolpho. “Nótulas do Este.” Revista Adventista, agosto de 1962.

Bessa Filho, José. “Vitórias Por Cristo.” Revista Adventista, junho de 1978.

Botelho, Henilá. “Enfermaria Adventista em Serra Pelada.” Revista Adventista, novembro de 1948.

Botelho, Henilá. “Primeiro Acampamento Cultural da Associação Espírito-Santense.” Revista Adventista, junho de 1958.

Brown, J. L. “Viagem Através da Missão Rio-Espírito Santo.” Revista Adventista, setembro de 1942.

Carvalho, Moisés Dias de. “Relatório da Unidade Móvel de Saúde.” Revista Adventista, outubro de 1974.

Coelho, Américo R. “Cidade do Espírito Santo.” Revista Adventista, outubro de 1942.

Denz, Guilherme C. “Viajando na Missão Rio-Espírito Santo.” Revista Mensal, dezembro de 1928.

Ebinger, Ernesto. “O Trabalho Missionário na Igreja de Vila Velha.” Revista Adventista, dezembro de 1945.

“Emissora adventista vai bem.” Revista Adventista, maio de 1990.

“Escola Primária Adventista de Vila Velha...” Revista Adventista, dezembro de 1949.

“Espírito Santo cumpre a missão evangelística.” Revista Adventista, outubro de 1993.

“Eventos em Destaque.” Revista Adventista, agosto de 1983.

Ferreira, Rubens Segre. “Nótulas do Este.” Revista Adventista, novembro de 1960.

“Finalmente, Igreja alcança Sul do Espírito Santo.” Revista Adventista, agosto de 1988.

Freitas, Rui Linhares de. “Conversões em Pôrto de Santana.” Revista Adventista, março de 1968.

Gabriel, Aluízio. “Notícias da Leste.” Revista Adventista, outubro de 1975.

Greenleaf, Floyd, Terra de Esperança: o crescimento da Igreja Adventista na América do Sul. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2011.

Guedes, Leonidas Verneque, Olhando Para Trás, Nos Movemos Para a Frente: 100 anos de história da União Sudeste Brasileira. Maringá, PR: Gráfica e Editora Massoni, 2019.

Harder, A.C. “Série de Conferências em Itapemirim, Espírito Santo.” Revista Adventista, agosto de 1943.

Ivanicska, Geraldo. “Cachoeiro do Itapemirim.” Revista Adventista, janeiro de 1962.

Lüdtke, Mizael. Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo. São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989.

Marques, Lourival. “Campanha Evangelística em Cachoeiro de Itapemirim.” Revista Adventista, abril de 1956.

Martins, Emilly. “Adventistas ajudam pessoas afetadas pela chuva no ES.” Notícias Adventistas (Online), 21 de novembro, 2019.

Martins, Emilly. “Caixa de livros da Esperança surpreende moradores do ES.” Notícias Adventistas (Online), 24 de maio, 2019.

Martins, Emilly. “Funcionários de escritório adventista reformam abrigo no sul do ES.” Notícias Adventistas (Online), 13 de dezembro, 2018.

Martins, Emilly. “Jovens dedicam um ano de sua vida à missão.” Notícias Adventistas (Online), 26 de fevereiro, 2019.

Martins, Emilly. “Rádio Novo Tempo de Afonso Cláudio começa a funcionar em frequência FM.” Notícias Adventistas (Online), 21 de março, 2019.

Martins, Emilly. “Sede administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia no Sul do Espírito Santo comemora 10 anos.” Notícias Adventistas (Online), 25 de junho, 2018.

Meier, Alfredo. “Cachoeiro do Itapemirim.” Revista Adventista, setembro de 1943.

Ata da I Assembleia Ordinária da Associação Sul Espírito Santense, novembro de 2008.

Neto, Chryssie. “Nova Escola Adventista de Campo Grande, ES, é inaugurada.” Notícias Adventistas (Online), 23 de novembro, 2017.

“Notícias da Associação Leste.” Revista Adventista, agosto de 1978.

“Notícias da Espírito-Santense.” Revista Adventista, maio de 1987.

“Novos Templos.” Revista Adventista, abril de 1986.

Oberg, Renato Emir. “Os Bons Samaritanos de São Torquato.” Revista Adventista, agosto de 1970.

“O Espírito Santo Tem Pressa.” Revista Adventista, março de 1985.

Oliveira, Isaí Segóvia. “Início do Grupo de Garrido.” Revista Adventista, junho de 1966.

Oliveira, Isaí Segóvia, Documentação da Memória do Adventismo na América do Sul, no Brasil, no Estado do Espírito Santo e em sua capital Vitória. Vitória, ES: Gráfica e Publicadora Sete, 2011.

Ouro, Jordão Magno. “Trienal e Campal na Associação Leste.” Revista Adventista, setembro, 1980.

Portal da Igreja Adventista do Sétimo Dia. https://www.adventistas.org/pt/.

Pires, Corino. “A Educação na Associação Leste.” Revista Adventista, julho de 1977.

“Quadrienal da Unieste Altera Geografia dos Seus Campos.” Revista Adventista, março de 1980.

Radio Novo Tempohttp://novotempo.com/radio/.

Regetz, Ervino. “Aproveitando os Talentos.” Revista Adventista, fevereiro de 1971.

“Resumo.” Revista Adventista, fevereiro de 1978.

Schmidt, Santiago. “Férias Evangelizadoras.” Revista Adventista, setembro de 1957.

Seventh-day Adventist Yearbook [Anuário da IASD]. Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association. Vários anos.

Seventh-day Adventist Yearbook. Nampa, ID.: Pacific Press Publishing Association, 2018.

Storch, Gustavo S. Venturas e Aventuras de um Pioneiro. Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1982.

“União Este.” Revista Adventista, dezembro de 1972.

“Unieste Educa Para a Eternidade.” Revista Adventista, julho de 1977.

Weberling, Wander Stabenow. “História do Movimento Adventista em Laranja da Terra.” Monografia, Instituto Adventista de Ensino, 1988.

Notas de Fim

  1. “South Espírito Santo Conference [Associação Sul Espírito Santense],” Seventh-day Adventist Yearbook(Nampa, ID: Pacific Press Publishing Association, 2018), 261-262.
  2. Leonidas Verneque Guedes, Olhando Para Trás, Nos Movemos Para a Frente: 100 anos de história da União Sudeste Brasileira.(Maringá, PR: Gráfica e Editora Massoni, 2019), 33.
  3. Ibid.
  4. Ibid., 40.
  5. Gustavo S. Storch, Venturas e Aventuras de um Pioneiro(Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1982), 12.
  6. Leonidas Verneque Guedes, Olhando Para Trás, Nos Movemos Para a Frente: 100 anos de história da União Sudeste Brasileira. (Maringá, PR: Gráfica e Editora Massoni, 2019), 40.
  7. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989), 33-35.
  8. Ibid., 56-57.
  9. Ibid., 69.
  10. Ibid., 56-57.
  11. Ibid., 42.
  12. Ibid., 37.
  13. Wander Stabenow Weberling, “História do Movimento Adventista em Laranja da Terra” (Monografia, Instituto Adventista de Ensino, 1988), 8.
  14. Ibid., 24.
  15. Floyd Greenleaf, Terra de Esperança: o crescimento da Igreja Adventista na América do Sul (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2011), 138.
  16. South American Division Minute, fevereiro de 1916, vote no. 1916-012.
  17. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1989), 82.
  18. Ibid., 82.
  19. Leonidas Verneque Guedes, Olhando Para Trás, Nos Movemos Para a Frente: 100 anos de história da União Sudeste Brasileira (Maringá, PR: Gráfica e Editora Massoni, 2019), 46.
  20. “North Brazil Union Mission [União Norte Brasileira],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1920), 187-189.
  21. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989), 113-115.
  22. Ibid., 71-73.
  23. Ibid., 46.
  24. Ibid., 83.
  25. “Espírito Santo Mission [Missão Espírito Santense],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1925), 159.
  26. Isaí Segovia Oliveira, Documentação da Memória do Adventismo na América do Sul, no Brasil, no Estado do Espírito Santo e em sua capital Vitória (Vitória, ES: Gráfica e Editora Sete, 2011), 118-119.
  27. “Espírito Santo Mission [Missão Espírito Santense],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1927), 187.
  28. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP:Instituto Adventista de Ensino, 1989), 118.
  29. Leonidas Verneque Guedes, Olhando Para Trás, Nos Movemos Para a Frente: 100 anos de história da União Sudeste Brasileira (Maringá, PR: Gráfica e Editora Massoni, 2019), 53.
  30. “Rio-Espírito Santo Mission [Missão Rio-Espírito Santo],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1928), 197.
  31. “Rio-Espírito Santo Mission [Missão Rio-Espírito Santo],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1929), 205.
  32. “Rio-Espírito Santo Mission [Missão Rio-Espírito Santo],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1930), 232.
  33. Guilherme C. Denz, “Viajando na Missão Rio-Espírito Santo,” Revista Mensal, dezembro de 1928, 10.
  34. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989), 36.
  35. Ibid., 44.
  36. “Rio-Espírito Santo Mission [Missão Rio-Espírito Santo],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1933), 165.
  37. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989), 105.
  38. Ibid., 88.
  39. L. Brown, “Viagem Através da Missão Rio-Espírito Santo,” Revista Adventista, setembro de 1942, 10-11; Américo R. Coelho, “Cidade do Espírito Santo,” Revista Adventista, outubro de 1942, 21.
  40. Ernesto Ebinger, “O Trabalho Missionário na Igreja de Vila Velha,” Revista Adventista, dezembro de 1945, 24.
  41. C. Harder, “Série de Conferências em Itapemirim, Espírito Santo,” Revista Adventista, agosto de 1943, 12; Alfredo Meier, “Cachoeiro do Itapemirim,” Revista Adventista, setembro de 1943, 10-11.
  42. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989), 108.
  43. , 90-91.
  44. Henilá Botelho, “Enfermaria Adventista em Serra Pelada,” Revista Adventista, novembro de 1948, 11.
  45. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989), 105.
  46. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989), 106; Aluízio Gabriel, “Notícias da Leste,” Revista Adventista, outubro de 1975, 19.
  47. “Rio-Espírito Santo Mission [Missão Rio-Espírito Santo],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1950), 161.
  48. “Escola Primária Adventista de Vila Velha...” Revista Adventista, dezembro de 1949, 18.
  49. Idem.
  50. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989), 109.
  51. Idem.
  52. Rodolpho Belz, “Associação Espírito-Santense,” Revista Adventista, maio de 1959, 35.
  53. “Rio-Espírito Santo Conference [Associação Rio-Espírito Santo],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1955), 140.
  54. “Rio-Espírito Santo Conference [Associação Rio-Espírito Santo],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1956), 143-144.
  55. Lourival Marques, “Campanha Evangelística em Cachoeiro de Itapemirim,” Revista Adventista, abril de 1956, 27.
  56. Santiago Schmidt, “Férias Evangelizadoras,” Revista Adventista, setembro de 1957, 23-24.
  57. Henilá Botelho, “Primeiro Acampamento Cultural da Associação Espírito-Santense,” Revista Adventista53, nº 6 (junho de 1958): 32-33.
  58. “Espírito Santo Conference [Associação Espírito Santense],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1960), 159.
  59. Manuel Banqué, “Evangelismo – Tarefa Máxima,” Revista Adventista, março de 1961, 32-33.
  60. Rubens Segre Ferreira, “Nótulas do Este,” Revista Adventista, novembro de 1960, 36.
  61. Geraldo Ivanicska, “Cachoeiro do Itapemirim,” Revista Adventista, janeiro de 1962, 30.
  62. Rodolpho Belz, “Nótulas do Este,” Revista Adventista, agosto de 1962, 30.
  63. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989), 118.
  64. Isaí Segóvia Oliveira, “Início do Grupo de Garrido,” Revista Adventista, junho de 1966, 22.
  65. Rui Linhares de Freitas. “Conversões em Pôrto de Santana,” Revista Adventista, março de 1968, 26-27.
  66. Renato Emir Oberg, “‘Os Bons Samaritanos de São Torquato,” Revista Adventista, agosto de 1970, 22.
  67. “Espírito Santo Conference [Associação Espírito Santense],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1970), 214-215.
  68. Ervino Regetz, “Aproveitando os Talentos,” Revista Adventista, fevereiro de 1971, 26-27.
  69. “East Conference [Associação Leste],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1973-74), 229.
  70. “União Este,” Revista Adventista, dezembro de 1972, 30.
  71. “East Conference [Associação Leste],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1973-74), 229.
  72. Moisés Dias de Carvalho, “Relatório da Unidade Móvel de Saúde,” Revista Adventista, outubro de 1974, 25-26.
  73. “Unieste Educa Para a Eternidade,” Revista Adventista, julho de 1977, 23.
  74. Corino Pires, “A Educação na Associação Leste,” Revista Adventista, julho de 1977, 29-30.
  75. “Resumo,” Revista Adventista, fevereiro de 1978, 30.
  76. José Bessa Filho, “Vitórias Por Cristo,” Revista Adventista, junho de 1978, 9-10.
  77. “Notícias da Associação Leste,” Revista Adventista, agosto de 1978, 29.
  78. “East Conference [Associação Leste],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1980), 261.
  79. “East Brazil Union Mission [União Este Brasileira],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1980), 260.
  80. “Quadrienal da Unieste Altera Geografia dos Seus Campos,” Revista Adventista, março de 1980, 20-21.
  81. Jordão Magno do Ouro, “Trienal e Campal na Associação Leste,” Revista Adventista75, nº 9 (setembro de 1980): 24-25.
  82. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989), 120.
  83. Emilly Martins, “Sede administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia no Sul do Espírito Santo comemora 10 anos,” Notícias Adventistas, 25 de junho, 2018, acessado em 25 de novembro, 2019, https://bit.ly/2XNnrjr.
  84. “Eventos em Destaque,” Revista Adventista, agosto de 1983, 31-32.
  85. “Alunos e Decisões,” Revista Adventista, outubro de 1984, 31.
  86. “O Espírito Santo Tem Pressa,” Revista Adventista, março de 1985, 28-29.
  87. “Novos Templos,” Revista Adventista, abril de 1986, 31-32.
  88. “Notícias da Espírito-Santense,” Revista Adventista, maio de 1987, 33-34.
  89. “Finalmente, Igreja alcança Sul do Espírito Santo,” Revista Adventista, agosto de 1988, 29.
  90. “Associação Espírito-Santense,” Revista Adventista, janeiro de 1988, 24.
  91. Mizael Lüdtke, Origem e Desenvolvimento da Igreja Adventista no Espírito Santo (São Paulo, SP: Instituto Adventista de Ensino, 1989), 24.
  92. “Espírito Santo Conference [Associação Espírito Santense],” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1990), 269.
  93. “Emissora adventista vai bem,” Revista Adventista, maio de 1990, 20.
  94. “História da Rádio,” Rádio Novo Tempo, acessado em 4 de novembro, 2019, https://bit.ly/2rcw7E1.
  95. “Espírito Santo cumpre a missão evangelística,” Revista Adventista, outubro de 1993, 35.
  96. “Associação Espírito-Santense realiza trienal,” março de 1996, 26.
  97. “Espírito Santo Conference [Associação Espírito Santense],” Seventh-day Adventist Yearbook(Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing Association, 2000), 264.
  98. “Espírito Santo Conference [Associação Espírito Santense],” Seventh-day Adventist Yearbook(Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing Association, 2005), 253.
  99. Ata da União Este Brasileira, dezembro de 2005, voto nº 2005-152.
  100. Ata da Divisão Sul-Americana, maio de 2006, voto nº 2006-141.
  101. Ata da Divisão Sul-Americana, maio de 2008, voto nº 2008-103.
  102. Guilherme Almeida, “Nova Associação vai tornar Igreja mais dinâmica no ES,” Revista Adventista103, nº 1204 (setembro de 2008): 34.
  103. Ata da Associação Espírito Santense, julho de 2008, voto nº 2008-080.
  104. Ata da I Assembleia Geral Ordinária da Associação Sul Espírito Santense, 23 de novembro de 2008.
  105. “South Espírito Santo Conference [Associação Sul Espírito Santense],” Seventh-day Adventist Yearbook(Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing Association, 2010), 273.
  106. “South Espírito Santo Conference [Associação Sul Espírito Santense],” Seventh-day Adventist Yearbook(Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing Association, 2011), 285.
  107. “South Espírito Santo Conference [Associação Sul Espírito Santense],” Seventh-day Adventist Yearbook(Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing Association, 2010), 273-274.
  108. Emilly Martins, “Funcionários de escritório adventista reformam abrigo no sul do ES,” Notícias Adventistas, 13 de dezembro, 2018, acessado em 6 de novembro, 2019, https://bit.ly/33oapeq.
  109. “O projeto Um Ano em Missão promove a participação de jovens adventistas na missão de evangelizar centros urbanos de oito países da América do Sul, unindo seus talentos, recursos e conhecimento profissional com as necessidades da comunidade.” Portal da Igreja Adventista do Sétimo Dia, “Um Ano Em Missão,” acessado em 4 de fevereiro, 2020, https://bit.ly/2sCFyNL.
  110. Emilly Martins, “Jovens dedicam um ano de sua vida à missão,” Notícias Adventistas, 26 de fevereiro, 2019, acessado em 6 de novembro, 2019, https://bit.ly/2NmBjh5.
  111. Fernanda Beatriz, “Igreja completa cem anos no Sudeste e lança projeto missionário,” Notícias Adventistas, 27 de novembro, 2018, acessado em 25 de novembro, 2019, https://bit.ly/33jLU18.
  112. Emilly Martins, “Rádio Novo Tempo de Afonso Cláudio começa a funcionar em frequência FM,” Notícias Adventistas, 21 de março, 2019, acessado em 6 de novembro, 2019, https://bit.ly/2Ckcf41.
  113. O projeto “Impacto Esperança é um programa que incentiva a leitura e promove distribuição anual de livros em massa por parte dos Asventistas do Sétimo Dia, no território sul-americano.” Portal da Igreja Adventista do Sétimo Dia, “Impacto Esperança,” acessado em 4 de fevereiro, 2020, https://bit.ly/34dZROO.
  114. Emilly Martins, “Caixa de livros da Esperança surpreende moradores do ES,” Notícias Adventistas, 24 de maio, 2019, acessado em 6 de novembro, 2019, https://bit.ly/2Clyg2A.
  115. “‘Mutirão de Natal’ é uma iniciativa que surgiu em uma Igreja Adventista no Brasil em 1994. A ideia era coletar e doar alimento e roupas para pessoas necessitadas durante as datas comemorativas de final de ano, especialmente o Natal.” Portal da Igreja Adventista do Sétimo Dia, “Mutirão de Natal,” acessado em 4 de fevereiro, 2020, https://bit.ly/2WEKM4W.
  116. Emilly Martins, “Adventistas ajudam pessoas afetadas pela chuva no ES,” Notícias Adventistas, 21 de novembro, 2019, acessado em 25 de novembro, 2019, https://bit.ly/2qM03Xz.
  117. Chryssie Neto, “Nova Escola Adventista de Campo Grande, ES, é inaugurada,” Notícias Adventistas, 23 de novembro, 2017, acessado em 6 de novembro, 2019, https://bit.ly/33lv56U.
  118. “O Pequeno Grupo é um grupo de pessoas que se reúne semanalmente sob a coordenação de um líder visando o crescimento espiritual, relacional e evangelístico, objetivando sua multiplicação.” Portal da Igreja Adventista do Sétimo Dia, “Pequenos Grupos,” acessado em 4 de fevereiro, 2020, https://bit.ly/2NtcXj7.
  119. Para mais informações sobre a Associação Sul Espírito Santense, ver https://ases.adventistas.org ou Facebook: Adventistas Sul Capixabas; Instagram: @adventistassulcapixabas; Twitter: @advsulcapixabas; e YouTube: Adventistas Sul Capixabas.
×

Sena, Lucas Vítor Alves Rodrigues, Leônidas Verneque Guedes, Rudiney Coelho Souza. "South Espirito Santo Conference." Encyclopedia of Seventh-day Adventists. October 17, 2021. Accessed August 02, 2022. https://encyclopedia.adventist.org/article?id=4IAK.

Sena, Lucas Vítor Alves Rodrigues, Leônidas Verneque Guedes, Rudiney Coelho Souza. "South Espirito Santo Conference." Encyclopedia of Seventh-day Adventists. October 17, 2021. Date of access August 02, 2022, https://encyclopedia.adventist.org/article?id=4IAK.

Sena, Lucas Vítor Alves Rodrigues, Leônidas Verneque Guedes, Rudiney Coelho Souza (2021, October 17). South Espirito Santo Conference. Encyclopedia of Seventh-day Adventists. Retrieved August 02, 2022, https://encyclopedia.adventist.org/article?id=4IAK.