View All Photos

Luiz and Isolina Waldvogel

Photo courtesy of Brazilian White Center - UNASP.

Waldvogel, Isolina Alves Avelino (1892–1980)

By The Brazilian White Center – UNASP

×

The Brazilian White Center – UNASP is a team of teachers and students at the Brazilian Ellen G. White Research Center – UNASP at the Brazilian Adventist University, Campus Engenheiro, Coelho, SP. The team was supervised by Drs. Adolfo Semo Suárez, Renato Stencel, and Carlos Flávio Teixeira. Bruno Sales Gomes Ferreira provided technical support. The following names are of team members: Adriane Ferrari Silva, Álan Gracioto Alexandre, Allen Jair Urcia Santa Cruz, Camila Chede Amaral Lucena, Camilla Rodrigues Seixas, Daniel Fernandes Teodoro, Danillo Alfredo Rios Junior, Danilo Fauster de Souza, Débora Arana Mayer, Elvis Eli Martins Filho, Felipe Cardoso do Nascimento, Fernanda Nascimento Oliveira, Gabriel Pilon Galvani, Giovana de Castro Vaz, Guilherme Cardoso Ricardo Martins, Gustavo Costa Vieira Novaes, Ingrid Sthéfane Santos Andrade, Isabela Pimenta Gravina, Ivo Ribeiro de Carvalho, Jhoseyr Davison Voos dos Santos, João Lucas Moraes Pereira, Kalline Meira Rocha Santos, Larissa Menegazzo Nunes, Letícia Miola Figueiredo, Luan Alves Cota Mól, Lucas Almeida dos Santos, Lucas Arteaga Aquino, Lucas Dias de Melo, Matheus Brabo Peres, Mayla Magaieski Graepp, Milena Guimarães Silva, Natália Padilha Corrêa, Rafaela Lima Gouvêa, Rogel Maio Nogueira Tavares Filho, Ryan Matheus do Ouro Medeiros, Samara Souza Santos, Sergio Henrique Micael Santos, Suelen Alves de Almeida, Talita Paim Veloso de Castro, Thais Cristina Benedetti, Thaís Caroline de Almeida Lima, Vanessa Stehling Belgd, Victor Alves Pereira, Vinicios Fernandes Alencar, Vinícius Pereira Nascimento, Vitória Regina Boita da Silva, William Edward Timm, Julio Cesar Ribeiro, Ellen Deó Bortolotte, Maria Júlia dos Santos Galvani, Giovana Souto Pereira, Victor Hugo Vaz Storch, and Dinely Luana Pereira.

 

 

Isolina Alves Avelino Waldvogel foi poetisa, escritora, tradutora, editora e revisora da Casa Publicadora Brasileira.1

 Primeiros Anos

Isolina Alves Avelino Waldvogel nasceu em 16 de maio de 1892, na cidade de Natal, Rio Grande do Norte. Seus pais, Pedro Celestino da Costa Avelino e Maria das Neves Avelino, também nasceram no Rio Grande do Norte.2 Pedro Celestino era um homem instruído e distinto jornalista no nordeste brasileiro, e construiu uma sólida carreira literária. Devoto do ideal Republicano, foi ativo no cenário político brasileiro em uma época em que a República estava ainda surgindo no Brasil.3

Isolina Celestino foi criada em família erudita de classe média-alta, e cresceu em ambiente rico culturalmente.4 Seu talento com a linguagem era evidente desde a infância, quando aprendeu a ler sozinha, antes de entrar na escola. Começou o ensino primário em instituição católica, terminando-o em escola evangélica.5 Enquanto morava com seus pais na cidade de Recife, Pernambuco, demonstrou interesse em aprender outras línguas e, com a ajuda de professores particulares, tornou-se fluente não apenas em português, mas também francês e inglês. Mais tarde, a família se mudou para o Rio de Janeiro, na época capital do Brasil.6

Batismo e Casamento

Isolina teve contato pela primeira vez com o Adventismo por meio de uma série de reuniões evangelísticas conduzidas pelos pastores Emanuel C. Ehlers e Frederico Kümpel.7 No entanto, antes do término nas reuniões, a família se mudou para um bairro distante. Então o Pastor Ehlers começou a enviar a Isolina, por correspondência, resumos dos sermões e a responder suas perguntas sobre os temas estudados. Por fim, em 1915, o Pastor Ehlers batizou Isolina da cidade do Rio de Janeiro.

Pouco depois, Isolina se mudou para São Paulo a fim de estudar no Seminário Adventista (hoje Unasp-SP).8 Ali, ao participar da “Mesa Inglesa”, um grupo que se reunia para aprender a língua, conheceu Luiz Waldvogel. Eles passaram a trocar bilhetes e começaram a namorar.9 Ambos se graduaram na primeira classe do curso Normal (Magistério) do Seminário Adventista em 8 de dezembro de 1922, ao lado de Adelina Zorub, Adolfo Bergold, Alma Meyer, Domingos Peixoto da Silva, Rodolpho Belz, Tereza Filonila dos Santos e Guilherme Denz.10 Após a graduação, em 3 de abril de 1923, Isolina e Luiz de casaram em cerimônia oficiada pelo Pastor Ricardo Wilfarth.11 A única filha do casal, Heloísa Waldvogel, nasceu em 1925.12 Seu esposo, Luiz, prestou grande contribuição à Igreja Adventista no Brasil como escritor, tradutor e editor na Casa Publicadora Brasileira, onde serviu por mais de 40 anos.13

Professora, Tradutora e Posições de Gerência

Em 1923, Isolina Waldvogel foi contratada para lecionar na escola adventista da cidade de Santo André, São Paulo. Sob condições precárias, no porão da sede da União Sul Brasileira, ela deu aulas a 15 estudantes. Naquela época, a união administrava as associações dos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina, e as missões do oeste de Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás.14

Em janeiro de 1924, Isolina Waldvogel foi chamada para se unir ao esposo, Luiz, e a J. Berger Johnson como editora na Sociedade Internacional de Tratados. Ali trabalhou como tradutora, revisora e editora até 1929, quando deixou a função para se dedicar à educação da filha. Após deixar o escritório, continuou traduzindo em casa.15 A Sra. Waldvogel era uma excelente tradutora; um exemplo clássico é o livro O Desejado de Todas as Nações, que traduziu ao português em 1943.16 A Sra. Waldvogel traduziu para o português material publicado no inglês, francês, italiano e espanhol,17 totalizando 17 livros e duas compilações dos escritos de Ellen G. White.18

Isolina Waldvogel também escreveu e traduziu centenas de poemas. Ela traduziu vários poemas para o Informativo Mundial das Missões e publicou seu próprio livro de poesias pela Casa Publicadora Brasileira, intitulado Oferenda. Além disso, traduziu hinos para o Hinário Adventista (brasileiro), Melodias de VitóriasLouvores Infantis, e para o quarteto da Voz da Profecia. Ela também contribuiu com as revistas O Atalaia, Revista Adventista e Juventude por muitos anos.19

Em 1935, Isolina Waldvogel foi nomeada líder do departamento de Educação da Associação Paulista, que abrangia o estado de São Paulo e parte do sudeste do estado de Minas Gerais. Durante sua administração, visitava igrejas para promover aos pais a importância da educação cristã para seus filhos. Cuidava de tudo o que as escolas adventistas precisavam para estarem em total acordo com as autoridades educacionais do estado.20 Na Igreja Adventista de Santo André, por 11 anos consecutivos, foi diaconisa e diretora da Sociedade Dorcas (hoje Ação Solidária Adventista). Além disso, conduziu recoltas, estudos bíblicos e palestras para noivos, além de oferecer serviços assistenciais para alcoólatras e analfabetos, e cursos de artesanato.21

Contribuição e Legado

Em junho de 1970, Isolina e seu esposo deixaram a cidade de Santo André e se mudaram para Hortolândia, São Paulo.22 Isolina Alves Avelino Waldvogel faleceu em 6 de julho de 1980, aos 88 anos, na cidade de São Paulo, e foi sepultada no Cemitério de Campo Grande.23 Seu trabalho na área literária por meio da tradução para o português de livros denominacionais e do Espírito de Profecia, como também a escrita de artigos, livros e poesia,24 contribuíram para a disseminação da mensagem adventista no território brasileiro.

Referências

Alves, Guarino. “Antônio Alves de Oliveira na Academia Potiguar de Letras.” Revista do Instituto Ceará. 1993. Acessado em 5 de maio, 2018. https://www.institutodoceara.org.br/revista.php.

“Isolina Waldvogel.” Revista Adventista. agosto, 1980. Acessado em 4 de maio, 2016. http://acervo.revistaadventista.com.br/.

Lopatka, Lênie. “Isolina Avelino Waldvogel: Abordagens Implícitas na Prática de Tradução de Poemas.” Trabalho de Conclusão de Curso, Engenheiro Coelho, Centro Universitário Adventista de São Paulo, 2013.

“Luiz Waldvogel.” Revista Adventista. setembro, 1990. Acessado em 6 de maio, 2016. http://acervo.revistaadventista.com.br/.

Seventh-day Adventist Encyclopedia. Segunda edição revisada. Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing Association, 1996. S.v. “Waldvogel, Isolina A.”

Seventh-day Adventist Yearbook. Washington D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1925. Acessado em 6 de abril, 2018. http://documents.adventistarchives.org/Yearbooks/YB1925.pdf.

Waldvogel, Luiz. Memórias de Tio Luiz. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1988.

Notas de Fim

  1. Lênie Lopatka, “Isolina Avelino Waldvogel: Abordagens Implícitas na Prática de Tradução de Poemas” (Trabalho de Conclusão de Curso, Engenheiro Coelho, Centro Universitário Adventista de São Paulo, 2013), 15.
  2. “Isolina Waldvogel,” Revista Adventista, agosto, 1980, acessado em 4 de maio, 2016, http://acervo.revistaadventista.com.br/.
  3. Guarino Alves, “Antônio Alves de Oliveira na Academia Potiguar de Letras,” Revista do Instituto do Ceará, 1993, acessado em 5 de maio, 2018, https://www.institutodoceara.org.br/revista.php.
  4. Lopatka, 19.
  5. “Isolina Waldvogel,” Revista Adventista, agosto, 1980, acessado em 4 de maio, 2016, http://acervo.revistaadventista.com.br/.
  6. Lopatka, 15, 20.
  7. , 15.
  8. “Isolina Waldvogel,” Revista Adventista, agosto, 1980, acessado em 4 de maio, 2016, http://acervo.revistaadventista.com.br/.
  9. Lopatka, 15, 20.
  10. Luiz Waldvogel, Memórias de Tio Luiz(Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1988), 75.
  11. p. 112.
  12. p. 119-120.
  13. “Luiz Waldvogel,” Revista Adventista, setembro, 1990, acessado em 6 de maio, 2016, http://acervo.revistaadventista.com.br/.
  14. , 179; Lopatka, 23.; “South Brazil Union Conference,” Seventh-day Adventist Yearbook(Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1925), p. 162.
  15. “Isolina Waldvogel,” Revista Adventista, agosto, 1980, acessado em 4 de maio, 2016, http://acervo.revistaadventista.com.br/; Waldvogel, 142.
  16. Lopatka, 25; Waldvogel, 131.
  17. Seventh-day Adventist Encyclopedia, second revised edition (1996), s.v. “Waldvogel, Isolina A.”
  18. Lopatka, 68-70.
  19. “Isolina Waldvogel,” Revista Adventista, agosto, 1980, acessado em 4 de maio, 2016, http://acervo.revistaadventista.com.br/.
  20. Waldvogel, 187; “Isolina Waldvogel,” Revista Adventista, agosto, 1980, acessado em 4 de maio, 2016, http://acervo.revistaadventista.com.br/.
  21. “Isolina Waldvogel,” Revista Adventista, agosto, 1980, acessado em 4 de maio, 2016, http://acervo.revistaadventista.com.br/; Lopatka, 26-27.
  22. Lopatka, 32; “Luiz Waldvogel,” Revista Adventista, setembro, 1990, acessado em 6 de maio, 2016, http://acervo.revistaadventista.com.br/.
  23. “Isolina Waldvogel,” Revista Adventista, agosto, 1980, acessado em 4 de maio, 2016, http://acervo.revistaadventista.com.br/.
  24. Lopatka, 16.
×

UNASP, The Brazilian White Center –. "Waldvogel, Isolina Alves Avelino (1892–1980)." Encyclopedia of Seventh-day Adventists. April 28, 2021. Accessed September 21, 2021. https://encyclopedia.adventist.org/article?id=7GRD.

UNASP, The Brazilian White Center –. "Waldvogel, Isolina Alves Avelino (1892–1980)." Encyclopedia of Seventh-day Adventists. April 28, 2021. Date of access September 21, 2021, https://encyclopedia.adventist.org/article?id=7GRD.

UNASP, The Brazilian White Center – (2021, April 28). Waldvogel, Isolina Alves Avelino (1892–1980). Encyclopedia of Seventh-day Adventists. Retrieved September 21, 2021, https://encyclopedia.adventist.org/article?id=7GRD.