View All Photos

Pedro Saturno Camacho 

Photo courtesy of Brazilian White Center - UNASP. 

Camacho, Pedro Saturno (1914–2002)

By The Brazilian White Center – UNASP

×

The Brazilian White Center – UNASP is a team of teachers and students at the Brazilian Ellen G. White Research Center – UNASP at the Brazilian Adventist University, Campus Engenheiro, Coelho, SP. The team was supervised by Drs. Adolfo Semo Suárez, Renato Stencel, and Carlos Flávio Teixeira. Bruno Sales Gomes Ferreira provided technical support. The following names are of team members: Adriane Ferrari Silva, Álan Gracioto Alexandre, Allen Jair Urcia Santa Cruz, Camila Chede Amaral Lucena, Camilla Rodrigues Seixas, Daniel Fernandes Teodoro, Danillo Alfredo Rios Junior, Danilo Fauster de Souza, Débora Arana Mayer, Elvis Eli Martins Filho, Felipe Cardoso do Nascimento, Fernanda Nascimento Oliveira, Gabriel Pilon Galvani, Giovana de Castro Vaz, Guilherme Cardoso Ricardo Martins, Gustavo Costa Vieira Novaes, Ingrid Sthéfane Santos Andrade, Isabela Pimenta Gravina, Ivo Ribeiro de Carvalho, Jhoseyr Davison Voos dos Santos, João Lucas Moraes Pereira, Kalline Meira Rocha Santos, Larissa Menegazzo Nunes, Letícia Miola Figueiredo, Luan Alves Cota Mól, Lucas Almeida dos Santos, Lucas Arteaga Aquino, Lucas Dias de Melo, Matheus Brabo Peres, Mayla Magaieski Graepp, Milena Guimarães Silva, Natália Padilha Corrêa, Rafaela Lima Gouvêa, Rogel Maio Nogueira Tavares Filho, Ryan Matheus do Ouro Medeiros, Samara Souza Santos, Sergio Henrique Micael Santos, Suelen Alves de Almeida, Talita Paim Veloso de Castro, Thais Cristina Benedetti, Thaís Caroline de Almeida Lima, Vanessa Stehling Belgd, Victor Alves Pereira, Vinicios Fernandes Alencar, Vinícius Pereira Nascimento, Vitória Regina Boita da Silva, William Edward Timm, Julio Cesar Ribeiro, Ellen Deó Bortolotte, Maria Júlia dos Santos Galvani, Giovana Souto Pereira, Victor Hugo Vaz Storch, and Dinely Luana Pereira.

 

 

First Published: June 9, 2021

Pedro Saturno Camacho foi um contador, colportor e administrador da Igreja Adventista do Sétimo Dia no Brasil.

Primeiros Anos

          Pedro Saturno Camacho nasceu em 29 de junho de 1914, na cidade de Pinheiro Machado, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Filho de Licínio Vital Camacho e Cândida dos Santos Camacho, passou a infância junto aos seus 11 irmãos em uma pequena fazenda, onde cultivavam grãos e criavam gado e animais domésticos.1

          Quando criança, Pedro gostava de brincar e era conhecido por suas traquinagens. Gostava muito de andar a cavalo com seus amigos e irmãos. Em um desses momentos de lazer, Pedro e seu irmão estavam no campo aprendendo a laçar gado quando um novilho o arrastou por cerca de 200 metros, ralando suas pernas no chão. Sua mãe temeu por sua vida, mas o acidente resultou apenas em uma única cicatriz, a qual carregou pelo resto da vida.2

          Em 1926, quando Camacho tinha 12 anos de idade, seu pai faleceu, deixando a família sob responsabilidade de sua mãe. No ano seguinte, toda a família se mudou para a cidade de Pelotas. Pedro trabalhava em muitos ofícios a fim de ajudar na subsistência familiar, tais como entregador de leite, boiadeiro, escriturário, prestador de serviço para uma casa lotérica, mordomo e porteiro em um hotel.3

          Sabendo a importância do estudo, Camacho frequentava a Biblioteca Municipal à noite.4 Felizmente, ele frequentou uma escola pública local que oferecia educação de qualidade. Posteriormente, cursou datilografia e continuou a trabalhar, buscando maneiras de melhorar de vida. Certo dia, viu um anúncio no jornal informando sobre a vaga de assistente em uma clínica de um dentista norte-americano. Camacho logo se candidatou e foi selecionado.5

          Em 1934 Camacho tornou-se vendedor em uma empresa atacadista, onde era o responsável pelo balanço contábil da empresa, como também pela entrega de correspondência aos clientes. Com isso adquiriu bastante conhecimento em contabilidade e, em pouco tempo, tornou-se gerente do escritório. Em 1936, quando Pedro finalmente conseguia sustentar a família financeiramente, sua mãe foi acometida de uma gripe e faleceu.6

          Camacho tinha um irmão que servia no exército e, pouco depois da morte de sua mãe, foi transferido para Pelotas. Ele chegou acompanhado de sua esposa, Virgínia, que era uma Adventista do Sétimo Dia com espírito missionário. Ela logo começou a falar com Pedro sobre a mensagem adventista.7 Certo dia, o levou a um culto na Igreja Adventista de Pelotas. O pregador era o Pastor John Boehm, fundador do Colégio Adventista Brasileiro (atualmente Centro Universitário Adventista de São Paulo – UNASP). Siegfried Kümpel, então pastor sênior da igreja, também estava presente. Após aquele culto, o Pastor Kümpel começou a estudar a Bíblia com Pedro.8

          Camacho decidiu tornar-se um guardador do sábado, mas ainda hesitava em seu compromisso, pois era altamente estimado pelo seu chefe, quem queria que ele se tornasse sócio da empresa. Então o Pastor Kümpel o convidou para o culto de pôr do sol da sexta-feira, seguido de um jantar em sua casa. Ele o aconselhou a deixar o emprego e participar de um programa de colportagem que estava sendo realizado no Ginásio Adventista de Taquara, hoje Instituto Adventista Cruzeiro do Sul (IACS). Após ouvir o conselho do pastor, ele participou do treinamento organizado pelo Pastor Emílio Doehnert, então diretor de colportagem da União Sul Brasileira. Camacho estudou no Ginásio Adventista de Taquara em 1939 e, em 25 de novembro do mesmo ano, foi batizado pelo Pastor John Boehm no Rio Santa Maria, em Taquara.9

          Camacho ingressou na obra de colportagem em 6 de dezembro de 1939, na cidade de Cruz Alta, onde foi muito bem-sucedido, especialmente no quartel militar local. Em seguida trabalhou na cidade de Passo Fundo, onde também alcançou resultados notáveis. O primeiro livro com que trabalhou foi o Vencedor em Todas as Batalhas, juntamente com a revista Vida e Saúde, ainda publicada. Nesse ano, ele recebeu o valor equivalente ao estipêndio de três semestres inteiros. Aceito o convite feito pelo Pastor Domingos Peixoto, matriculou-se no Colégio Adventista Brasileiro.10

          Ali Camacho conheceu Elvira Cól, filha de um empregado da construção. No último ano no colégio, Pedro e Elvira ficaram noivos. Eles se casaram em 10 de março de 1942; a cerimônia foi realizada na casa do sogro, Domingos Cól, que morava em uma pequena fazenda atrás do campus. O Pastor Domingos Peixoto da Silva apresentou o sermão.11 Em 11 de dezembro de 1942, duas semanas após sua graduação, nasceu a primeira filha do casal, Maria Guaraci Camacho. A segunda filha, Gualcira Cândida Camacho, nasceu pouco tempo depois.12

Vida e Ministério (1942-1977)

          Em outubro de 1942, Pedro Camacho recebeu uma carta do Pastor Germano Streithorst, presidente da Associação Sul-Rio-Grandense, informando que ele havia sido nomeado líder de publicações do campo. Camacho buscou orientação de Deus e o conselho dos pastores Domingos P. da Silva, Jerônimo G. Garcia e Wilfart, e todos o incentivaram a aceitar o chamado. Dessa maneira, em 16 de dezembro de 1942, a família Camacho se mudou para o Rio Grande do Sul. Ao chegar, ele se encontrou com o antigo diretor, Henrique Rhue, quem lhe deu o endereço de 12 estudantes que trabalhavam na Associação. Pedro visitou a todos, passando pelas regiões de Cruz Alta, Ijuí e Santa Maria.13

          Pouco depois de a família ter se estabelecido em Porto Alegre, Camacho deu início ao trabalho. Visitava e acompanhava os 12 colportores, como também convidava outras pessoas para divulgar a mensagem adventista por meio da colportagem. No Ginásio Adventista de Taquara, ele promoveu o programa Colportagem e Técnicas de Venda, preparando assim os estudantes no domínio das estratégias necessárias. Em 1943 os estudantes gaúchos se destacaram em comparação com outras regiões.14

          Os estudantes tinham profundo senso de missão, e desempenhavam a tarefa com diligência. Dentre eles estavam Atiliano Gonzalez e Domingos César da Silva, que colportaram na região costeira entre as cidades de São José do Norte e Osório, onde não havia presença adventista. Eles não somente vendiam o livro Vida de Jesus, mas também ofereciam estudos bíblicos e oravam pelos clientes. Ainda hoje é possível encontrar nessa região igrejas estabelecidas como fruto do trabalho desses colportores.15

          Em 1944, na Reunião Bienal da Igreja Adventista em São Paulo, Camacho foi nomeado diretor de publicações da Associação Paulista. Seguindo o conselho dos pastores Manoel Soares e Kümpel, Camacho aceitou o convite e se mudou com a família para São Paulo, onde começou a liderar o departamento, na época composto por 31 colportores. Em pouco tempo ele dobrou o número de colportores evangelistas. Sob a administração de Camacho, a Associação Paulista foi líder de vendas da União, do Brasil e da Divisão Sul-Americana.16

          Nesse ínterim, Camacho visitou Hermínio Sarli e incentivou a família a enviar seu filho, Wilson, para estudar no Colégio Adventista Brasileiro, conversando com o diretor Domingos Peixoto sobre o assunto. Wilson foi para o colégio e se tornou um colportor de sucesso. Posteriormente, foi chamado pela Associação para ser assistente de Pedro. Os Sarlis vieram a deixar um legado importante para a Igreja Adventista do Sétimo Dia.17

          Ao final de 1949, durante a Assembleia Quadrienal, Camacho foi eleito diretor de publicações da União Sul Brasileira (USB), que na época abrangia os estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, e Goiás, além da região do Triângulo Mineiro, a oeste do estado de Minas Gerais. Havia muito a ser feito nesse departamento, visto que o estado do Mato Grosso não tinha um diretor de publicações e o grande estado de Goiás tinha apenas dois colportores. Com o tempo, sua dedicação deu resultado, e em consequência Camacho nomeou um diretor para o Mato Grosso e outro para Goiás.18 Em 24 de janeiro de 1953, Pedro Camacho foi ordenado ao ministério pastoral em São Paulo, em cerimônia oficiada pelos pastores Moysés Nigri, Walter Murray, Rodolpho Belz e Walter Schubert.19 

          Pedro também desejava desenvolver um trabalho de porta em porta, especialmente nas grandes cidades. Ele lançou o projeto chamado Serviço Educacional Lar e Saúde (SELS), experimentando-o na Vila Clementino, cidade de São Paulo. Das 7 às 9 da noite, visitou cinco casas, adentrando-as com grande facilidade e vendendo materiais em todas. Então a Casa Publicadora Brasileira preparou material para que colportores de toda a União pudessem começar a trabalhar com esse método. Em cada campo, Pedro acompanhava o diretor da associação e os colportores para mostrar-lhes como entrar nas casas das pessoas com facilidade.20 O método de Camacho tornou-se oficial em todo o Brasil, e quando o Pastor Nicolás Chaij foi diretor de publicações da Divisão Sul-Americana, ele aprovou o sistema e o introduziu no território da Divisão. O método é utilizado até hoje.21

          Em 1958, quando Pedro estava na iminência de liderar o primeiro programa de colportagem conduzido em Florianópolis, estado de Santa Catarina, ele sobreviveu a uma queda de avião em Itajaí. Apesar de sofrer alguns ferimentos, foi levado ao Hospital de Itajaí sem muitas complicações. Mesmo estando sob observação no hospital, todas as manhãs Camacho pegava um taxi até o local onde a programação estava sendo realizada, e ali ministrava aos colegas até a tarde. Após sua recuperação, Pedro continuou a trabalhar na União, servindo nessa função por quase 18 anos. Em 1966, foi chamado para liderar o departamento de Publicações da Divisão Sul-Americana.22

          Nesse mesmo ano, percebeu que os colportores não estavam usando seus talentos ao máximo. Por isso, criou o projeto Mês Máximo, que consistia em um mês com motivação especial para as vendas, contando com prêmios e incentivos para os que mais vendessem. Em 1967, expandiu seu plano administrativo por toda a Divisão. Muitos colportores aumentaram suas vendas em cem por cento ou mais. Em todos os campos, três métodos foram usados para aumentar as vendas: Serviço Educacional Lar e Saúde, Mês Máximo e assistentes de colportagem.23

          Durante o período em que serviu à Divisão Sul-Americana, Pedro recebeu uma cópia do livro O Grande Conflito em espanhol. Ele então conversou com o presidente da Divisão, Roger Wilcox, sobre a possibilidade de sua publicação em larga escala por um preço acessível. Seu pedido foi aceito e os livros foram introduzidos à colportagem no território da Divisão Sul-Americana, com grande ajuda da Casa Publicadora Brasileira. O alvo era vender um milhão de livros no território da Divisão. Em 1987 1,45 milhão de cópias foram vendidas somente no Brasil.24

          Camacho propôs à Associação Casa Editora Sul-Americana (ACES), publicadora adventista em língua espanhola, a publicação de cópias do livro O Grande Conflito tendo como finalidade a venda pelos colportores. A princípio houve receio de perseguição por parte da Igreja Católica, especialmente na Argentina, onde a religião era muito influente. Inicialmente a sugestão foi publicar o livro em forma condensada, com a remoção de mais de 16 capítulos. Entretanto, Camacho se opôs à ideia e, dois anos depois, o livro completo foi publicado juntamente com outro livro sobre saúde. Por meio da colportagem, muitos falantes do espanhol aceitaram a fé adventista ao ler O Grande Conflito.25

          Em 1976 Camacho foi escolhido para trabalhar como promotor de vendas na Casa Publicadora Brasileira (CPB).26 Ali promoveu livros de colportagem e revistas por 15 anos. Sua tarefa era preparar anúncios, prospectos, ofertas e abrir caminho para a colportagem em escolas católicas, igrejas e seminários.27 Para organizar melhor o departamento, separou grupos que ofertavam revistas nos diferentes campos. O primeiro grupo desse tipo foi organizado em São Paulo, o segundo em Campinas, e em pouco tempo o sistema foi implementado em outros locais.28

          Após a tradução para o português da série As Belas Histórias da Bíblia, de Arthur Maxwell, Camacho participou do lançamento ao lado de outros pastores, e visitou autoridades civis e eclesiásticas para apresentar a coleção.29 Camacho também realizou um importante trabalho na área de relações públicas da CPB. Ele visitou pastores proeminentes de outras denominações, assim como muitos cardeais católicos. Juntamente com o Pastor Vilmar Hirle, do Rio de Janeiro, muitas escolas abriram espaço para os colportores, inclusive algumas com mais de 20 mil estudantes, resultando em milhares de assinaturas de revistas.30

Últimos Anos

          Camacho aposentou-se em 1978, mas continuou servindo como promotor, conselheiro e líder de relações públicas ao representar a CPB em programas de colportagem, levando técnicas, conhecimento e motivação a jovens colportores.31 Em 24 de agosto de 1987, Pedro Camacho foi homenageado pela União Sul Brasileira pelos mais de 40 anos de serviço. A União criou a Medalha Pedro Camacho, homenageando dessa maneira a todos os colportores que se aposentavam naquela região.32

          A última participação de Camacho na obra da colportagem foi na cidade de Satulina, estado do Rio de Janeiro, em 26 de dezembro de 1992, quando já era ministro honorário pela União Central Brasileira. Nessa ocasião, ele deu um programa de treinamento a 65 estudantes do Instituto Petropolitano Adventista de Ensino (IPAE). Quase todos os presentes puderam alcançar seus alvos financeiros.33

          Pedro Camacho faleceu em 11 de maio de 2002, aos 88 anos, na cidade de São Paulo, deixando sua esposa Elvira, que faleceu em 2015 aos 91 aos; suas duas filhas, cinco netos, e bisnetos. Camacho foi enterrado no Cemitério de Congonhas em São Paulo.34

Contribuição

          Pedro Saturno Camacho é reconhecido pela Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Sul por seus esforços em prol do avanço da mensagem adventista através das publicações. Os projetos e métodos por ele instituídos se demonstraram muito eficientes na obra da colportagem. Pedro alcançou grandes resultados como líder do departamento de publicações na Associação Sul-Rio-Grandense, tendo exercido a mesma função na Associação Paulista, União Sul Brasileira e Divisão Sul Americana. Era conhecido por ser um líder de jovens entusiástico.

Referências

Biografia de Pedro Saturno Camacho. Monografia, Instituto Adventista de Ensino, Engenheiro Coelho, SP.

“Elvira Col Camacho.” Revista Adventista, agosto, 2015.

“Pedro S. Camacho.” Revista Adventista 98, junho, 2002.

Lessa, Rubens. “Hospital & Comemoração.” Revista Adventista, setembro, 1987.

Seventh-day Adventist Yearbook. Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Association, 1950 - 1990.

Timm, Alberto R. A Colportagem Adventista no Brasil: Uma Breve História. 1ª ed. Engenheiro Coelho, SP: Imprensa Universitária Adventista, 2000.

Notas de Fim

  1. Alberto R. Timm, A Colportagem Adventista no Brasil: Uma Breve História (Engenheiro Coelho, SP: Imprensa Universitária Adventista, 2000), 173.
  2. Ibid., 173-174.
  3. Ibid., 174; e Biografia de Pedro Saturno Camacho. Monografia, Instituto Adventista de Ensino, Engenheiro Coelho, SP, 2.
  4. Timm, 174; e Biografia de Pedro Saturno Camacho, 3.
  5. Ibid.
  6. Biografia de Pedro Saturno Camacho, 4-5.
  7. Timm, 175.
  8. Biografia de Pedro Saturno Camacho, 5; e Timm, 176.
  9. Timm, 176; e Biografia de Pedro Saturno Camacho, 8.
  10. Biografia de Pedro Saturno Camacho, 8.
  11. Ibid., 9.
  12. Timm, 178.
  13. Biografia de Pedro Saturno Camacho, 10-11.; e Timm, 179.
  14. Biografia de Pedro Saturno Camacho, 11-12.
  15. Timm, 179.
  16. Biografia de Pedro Saturno Camacho, 12-13.
  17. Timm, 180.
  18. Ibid., 180-181; “South Brazil Union Conference,” Seventh-day Adventist Yearbook, Washington, D.C..: Review and Herald Publishing Association, 1950, 167, acessado em 11 de dezembro, 2019, http://documents.adventistarchives.org/Yearbooks/YB1950.pdf.
  19. Biografia de Pedro Saturno Camacho, 13, 29.
  20. Timm, 180-181.
  21. Biografia de Pedro Saturno Camacho, 14.
  22. Ibid., 14-17.
  23. Timm, 181-182.
  24. Biografia de Pedro Saturno Camacho, 18.
  25. Ibid., 19-20.
  26. Ibid., 20.
  27. Timm, 182.
  28. Biografia de Pedro Saturno Camacho, 20-21.
  29. Ibid., 20-21.
  30. Ibid., 22-23.
  31. Ibid., 22-23.
  32. Lessa, Rubens, “Hospital & Comemoração,” Revista Adventista, setembro, 1987, 18.
  33. Timm, 18; e “Central Union Conference,” Seventh-day Adventist Yearbook Washington, D.C..: Review and Herald Publishing Association, 1990, 260. Acessado em 11 de dezembro, 2019, http://documents.adventistarchives.org/Yearbooks/YB1990.pdf.
  34. “Pedro S. Camacho”, Revista Adventista, junho, 2002, 35; e “Elvira Col Camacho,” Revista Adventista, agosto, 2015, 32.
×

UNASP, The Brazilian White Center –. "Camacho, Pedro Saturno (1914–2002)." Encyclopedia of Seventh-day Adventists. June 09, 2021. Accessed May 24, 2024. https://encyclopedia.adventist.org/article?id=CGGJ.

UNASP, The Brazilian White Center –. "Camacho, Pedro Saturno (1914–2002)." Encyclopedia of Seventh-day Adventists. June 09, 2021. Date of access May 24, 2024, https://encyclopedia.adventist.org/article?id=CGGJ.

UNASP, The Brazilian White Center – (2021, June 09). Camacho, Pedro Saturno (1914–2002). Encyclopedia of Seventh-day Adventists. Retrieved May 24, 2024, https://encyclopedia.adventist.org/article?id=CGGJ.